As Cidades Fantasmas da Itália

artigo publicado em 13/09/2016



voltar

Pessoas que gostam de viajar e viajam pela aventura e pela riqueza do feito (não só pelo destino) iriam para qualquer lugar, é claro. Esse tipo de viajante sabe que não existe lugar “melhor” ou “pior”, apenas existem “lugares” prontos para serem explorados. Tudo depende de como o viajante molda e de que ponto de vista faz a sua jornada. Mas também é impossível ignorar as preferências e interesses pessoais na escolha do próximo rumo, não é? E que tal falar de cidades fantasmas?

 

CIDADES FANTASMAS

Cidades Fantasmas são lugares que foram abandonados por algum motivo, seja por desastres naturais ou de ordem política e econômica. Existem muitos casos no mundo, o exemplo mais conhecido, provavelmente, é Chernobyl, abandonada após o acidente nuclear que devastou tudo e deixou a cidade inabitável.

Mas essas cidades não desaparecem simplesmente do mapa: elas permanecem lá, muitas vezes com toda a estrutura exatamente como foi deixada. Algumas casas ainda têm a mobília no mesmo lugar, brinquedos espalhados, carros nas ruas, tudo nos contando histórias do que foi e do que poderia ter sido toda aquela solidão fantasma.

Realmente, essas cidades só não são mais fantasmas porque atraem milhares de turistas e curiosos que são mais atraídos por histórias de verdade que por destinações turísticas teatrais. Poucas coisas são tão ricas, cultural e filosoficamente falando, que visitar uma cidade fantasma. E a Itália está cheia delas!

 

  • CRACO

As cidades fantasmas da Itália: Craco

Uma das mais famosas e já foi cenário de filmes como A Paixão de Cristo, 007 – Quantum of Solace e até a novela Rei do Gado fez algumas gravações nessa cidade fantasma. Craco foi abandonada aproximadamente nos anos 60 por problemas geográficos (deslizamento de terra). O centro da cidade tem uma construção de encher os olhos, pois é extremamente fiel às suas origens, que remontam ao século VIII antes de Cristo. Craco é essencialmente uma aldeia da era medieval e sua história está entrelaçada com colonos gregos e senhores feudais normandos.

Algumas pessoas ainda residem nos arredores de Craco, na parte moderna da região, mas o centro histórico está abandonado (deve ser uma pasmaceira, já que possui um total de 10 habitantes por km²). Claro, todos são espertos o bastante para não estarem dispostos a encarar deslizamentos de terra todo ano.

Como é possível ver na foto, Craco é uma cidade construída no topo de uma montanha. Aliás, vista de longe, parece mesmo incrustada nas rochas. A cidade está a 338 metros acima do nível do mar, então é possível ter uma vista maravilhosa dos terrenos em volta – vales, montanhas e cidades inteiras – após subir no topo da região.

É possível fazer a estrada até Crato com qualquer transporte, incluindo moto e bicicleta, mas não é permitido circular com transportes dentro da cidade antiga. Também não é possível entrar sem bilhetes e sem acompanhamento de um Guia.

 

  • Pendedattilo

As cidades fantasmas da Itália: Pentedattilo

Essa cidade fantasma com nome de dinossauro está localizada no Monte Calvário, na região da Calabria (sudeste italiano). É outra cidade incrível de visualizar, pois está, como a primeira, construída no topo de um monte a 250m acima do nível do mar.

Pendedattilo foi originalmente uma colônia grega, datando do século VI a.C. É muito excitante ver vestígios de história tão antiga de civilizações guerreiras ainda tão vivos, apesar dos desastres, do abandono e da ação do tempo.

Uma curiosidade é que o nome, de origem grega obviamente, significa “cinco dedos”. Isso porque, antigamente (hoje é mais difícil visualizar, mas ainda possível), a silhueta da cidade fazia lembrar uma mão saindo da terra, com os cinco dedos emergindo do chão. Alguns chamam de “A mão do demônio” e outros dizem que isso é uma referência ao sangrento Barão de Abenavoli, uma figura com um histórico bem comprido de assassinatos na região. Incrível, não?

Pendedattilo era uma cidade mercantil, o que significa que tinha uma riqueza cultural imensa, uma vida agitada e que, com certeza, tem um histórico de saques e guerras. Os gregos não foram os únicos a deixarem os rastros por lá, mas a cidade também sobreviveu aos normandos, romanos e saracenos. Na verdade, a cidade resistiu muito bem a todos esses povos guerreiros – afinal, uma fortificação no topo de um monte não é lá muito fácil de se dominar – mas quem deu cabo mesmo do lugar e transformou numa cidade fantasma foi, mais uma vez, a dona natureza com seus frequentes terremotos.

A cidade ficou completamente entregue ao nada durante séculos, especialmente entre os anos 90 e 80, mas alguns voluntários corajosos têm feito tentativa de reabitar o lugar. Se você não se contenta com um passeio pela cidade fantasma e tem brios para uma aventura mais a fundo, há espaços que estão sendo restaurados e estão disponíveis para alugar.

 

  • Monterano

As cidades fantasmas da Itália: Monterano

Monterano é uma cidade fantasma que está a cerca de 45 a 50km de Roma. Como as demais, a aldeia foi construída no topo de uma colina e é incrivelmente bela. Para quem gosta de história, Monterano é O LUGAR. A cidade foi habitada por humanos da Idade do Bronze e cresceu particularmente bem durante a Era Etrusca. O nome atual data do Império Romano e muitos vestígios da arquitetura romana ainda podem ser visitados em Monterano, como o velho aqueduto.

O diferencial dessa cidade fantasma e, com certeza, o maior chamariz dos viajantes é o castelo no centro da cidade. É uma verdadeira fortaleza que passou por muitas remodelações ao longo da sua extensa existência e já foi cenário para filmes famosíssimos como Ben-Hur.

A cidade se desenvolvia muito bem e tinha um potencial mercantil poderoso, mas foi alvo de muitos saques de guerreiros franceses que, junto de uma crise de malária, deram início ao êxodo em Monterano que culminou no seu total abandono. Dizem que a causa principal do abandono foi mesmo a brutalidade perpetrada pelos soldados franceses, que não se contentavam em assassinar e violentar pessoas, mas destruíam prédios inteiros. Acabou sendo mais barato e prático, para as pessoas da região, abandonar o lugar e tentar a vida em outro canto.

É possível chegar a Monterano de bicicleta, moto ou carro. O trajeto passa por auto-estradas e por caminhos não pavimentados, o que pode render uma aventura e tanto!

 

  • Bussana Vecchia

As cidades fantasmas da Itália: Bussana VecchiaBussana Vecchia ou Bussana Velha é uma senhora cidade fantasma com mais de 1000 anos, localizada próximo a San Remo, na Liguria. É mais uma que declinou por conta dos terremotos (em 1887), que parecem especialmente inimigos da Itália. A estrutura da cidade oferece uma visão muito bonita e romântica, com as ruas de pedras amareladas que ficam especialmente bonitas ao pôr-do-sol.

Como todas as outras citadas, Bussana tem uma origem muito antiga, datando do século IX e sofreu ondas e mais ondas de ataques dos povos Saracenos. Por isso, a fortificação foi construída no topo de uma colina, para tornar a defesa da cidade mais fácil. Porém, quem deu fim mesmo à cidade foi, mais uma vez, os contínuos terremotos que afetavam a região.

Bussana Vecchia nunca teve muitos motivos para gabar de sua população, na verdade. Em 1429, a cidade tinha cerca de 250 habitantes. Convenhamos, já era quase uma cidade fantasma. Em 1887, o terremoto matou mais de 200 pessoas (foi o auge populacional de Bussana) e acabou de vez com a pouca população que tinha. Atualmente, já quase deixou de ser uma cidade fantasma, pois é efetivamente habitada por quase 70 pessoas. Isso mesmo.

Em 1947, alguns imigrantes decidiram reocupar a cidade, ilegalmente claro. Eles sofreram várias desocupações forçadas por parte da Polícia Italiana nos anos 50. Na tentativa de evitar novas ocupações, já que o terreno era comprovadamente perigoso para habitar, as autoridades decretaram que todas as estruturas de térreo fossem destruídas. Mas os ocupantes resistiram. Eram idealistas e queriam mostrar que podiam levar uma vida simples sem precisar de tantos recursos (afinal, a cidade já não tinha eletricidade nem água encanada). Os novos ocupantes eram artistas e renomearam a cidade como Vila Internacional dos Artistas. Apesar de diversos confrontos com a polícia (o último em 1997, parece que as autoridades finalmente se renderam), a comunidade artística persiste e resiste ainda hoje em Bussana Vecchia.

É possível chegar à cidade por carro, moto ou bicicleta. Um caminho foi criado recentemente e existem projetos de aluguel de bicicletas para quem não pode levar a própria bike. Mas atenção: o caminho é para os (joelhos) fortes! Se está fora de condicionamento físico, recomendo ir de ônibus ou carro.

 

Você já visitou alguma cidade fantasma? Conte sua experiência nos comentários e qual a sua impressão sobre essa via de turismo!



Recomendados para você

Receba promoções em seu e-mail

Junte-se a mais de 20.000 leitores e receba preço de viagens em promoção, artigos e notícias sobre turismo alternativo.

Publicidade