Turismo Hippie: 5 cidades paz e amor para visitar

artigo publicado em 31/01/2017



voltar

O movimento hippie surgiu nos anos 60 com bandeiras e atitudes “good vibes”. Nomadismo, espírito comunitário, liberdade sexual, nudismo, fortemente contra toda autoridade e poder. Sob o lema “paz e amor”, ainda hoje seu legado permanece e é possível reviver essa “vibe” em algumas cidades do mundo! Venha ver essas 5 cidades em 5 continentes diferentes que você definitivamente precisa visitar!

 

Se você faz parte da galera que ainda segue os passos ou é fã, direta ou indiretamente, do movimento hippie, então esse artigo é indispensável para considerar no roteiro.

É difícil ser um viajante alternativo e não se identificar, mesmo eu muito ligeiramente, com o movimento hippie! O misticismo, as ideologias libertárias, a rejeição ao consumismo e a massificação industrial da sociedade moderna, a filosofia de paz e amor, o culto ao livre prazer…

São muitas características que geralmente se encontram com aquelas do viajante que faz a viagem pelo caminho e o crescimento, não pela destinação.

Pelas atitudes nômades, o movimento hippie se alastrou rapidamente pelo mundo inteiro e ainda existem cidades que sustentam o espírito e o estilo de vida hippie em praticamente todos os continentes. Nesse artigo, juntei algumas das mais incríveis e que definitivamente valem a pena ver! Vê só!

 

El Bolsón, Argentina, turismo hippie na América do Sul

 

El Bolson, Argentina (América do Sul)

Hermanos encabeçando a lista! El Bolson é uma ecovila situada na Patagônia. Ela não é uma cidade “meio hippie” ou que “lembra hippies”, ela é SUPER HIPPIE! A cidade foi um ponto forte do movimento hippie nos anos 70 e ainda hoje sustenta a herança e o legado! Os arredores são maravilhosos, com os enormes glaciares criando uma paisagem que mais parece um quadro irreal. Aliás, é justamente por estar situada entre dois gigantes glaciares que a comunidade se chama “Bolsón” (bolsão).

Não importa se vai visitar no inverno ou no verão, Bolsón tem atividades ao ar livre o ano todo, de todo tipo! No centro da cidade, durante quase toda a semana acontece a Feira Artesanal, com muitas barracas vendendo manualidades locais.

Achou pouco? Então segure essa: El Bolsón é conhecida pela sua produção de cerveja artesanal de altíssima qualidade. Na verdade, a pequena vila é a maior produtora de lúpulo do país todo.

Ainda não te ganhei? Então que tal o Bosque Talhado? Em 1980, um incêndio queimou uma grande área verde em Bolsón. E o que os artistas munícipes fizeram? Reinventaram o espaço esculpindo enormes esculturas nos troncos das árvores.

 

Goa, Índia, turismo hippie na Ásia

 

Goa, Índia (Ásia)

Hippies amam a Índia, mas Goa é como um santuário do movimento. Goa fica na costa do Mar da Arábia, portanto já sabe que praias paradisíacas tá tendo!

O movimento hippie foi forte em Goa desde o seu surgimento, nos anos 60, e ainda hoje é um dos poucos lugares onde os hippies mais antigos se reúnem, absorvendo os raios de sol e se embriagando da típica fusão de culturas que é a Índia. Aqui é o berço do Goa Trance, subgênero do Trance. As praias de Anjuna e Vagator normalmente abrigam muitas raves noite a dentro.

Apesar de ser bem pouco provável que você fale o idioma oficial de Goa, que é o Concani, saiba que não é difícil se comunicar por lá! Goa foi território de Portugal por mais de 400 anos, então é bastante comum encontrar pessoas falando português por lá!

 

Nimbin, Austrália, turismo hippie na Oceania

 

Nimbin, Austrália (Oceania)

Como não incluir Austrália, esse país de coisas loucas? Nimbin é um vilarejo bem pequeno situado na parte de Nova Gales do Sul. Quando eu digo pequeno, é pequeno mesmo: vivem cerca de 350 pessoas em Nimbin. Mas são hippies roots. Velhos, adultos, jovens, adolescentes, bebês e até os cachorros são hippies! Deve ser algo na água…

Em Nimbin, o movimento de contracultura foi arrebatador nos anos 70 e sobreviveu até os dias de hoje. O sentimento nas ruas é de que ali é Woodstock todo dia. Não, não é exagero. Veja só: drogas não são permitidas em Nimbin, mas a cidade tem a sua própria Embaixada da Maconha! Ah, pois é…!

Pela sua localização, o vilarejo tem fortes referências aborígenes e uma das atividades que não dá para perder é acordar cedinho para meditar ou ver o nascer do sol no Monte, um local considerado sagrado pelos antigos indígenas.

 

Christiania, Dinamarca, turismo hippie na Europa - créditos da foto: TopTenz

 

Christiania, Dinamarca (Europa)

Não basta a Dinamarca ter a herança genial dos Vikings, eles também tem um ponto hippie fantástico! Conheça a Cidade Livre de Christiania: uma vila independente, autogerida, situada bem na capital, Copenhague.

Christiania era uma, na verdade, uma base militar abandonada e foi ocupada por milhares de hippies, anarquistas e outros adeptos de movimentos libertários por volta dos anos 70. Na altura, havia um sentimento geral de descrença nas autoridades políticas e o povo tecia duras críticas sobre o sistema habitacional da Dinamarca.

A resposta foi a ocupação da área abandonada: os ocupantes ergueram uma comunidade independente e eles próprios cuidavam da gestão do local. Essas pessoas procuravam um espaço mais verde e livre (lembre-se que estamos falando de uma Europa bastante fustigada no pós-guerra) e construíram isso em Christiania.

A comuna sofreu vários ataques por parte das autoridades e inúmeras tentativas de desapropriação e reintegração de posse. Entretanto, a comunidade crescia forte e começava a ser conhecida além dos seus muros. Em 1989, foi promulgada uma lei especial que finalmente reconhecia Christiania como comuna independente.

O lugar é muito colorido, verde, feiras e trocas livres são constantes, a solução de problemas e conflitos é debatida democraticamente em reuniões comunitárias e as "drogas leves" são legais e comuns dentro do território.

 

Chefchouen, Xexuão, Marrocos, turismo hippie na África

 

Xexuão, Marrocos (África)

Eu tenho uma predileção especial por Marrocos, que foi um dos países mais incríveis e culturalmente ricos que visitei. Você pode ver aqui o artigo Marrocos Para Mochileiros que escrevi no portal. E quando o assunto é turismo hippie, Marrocos não deixa a desejar.

Chefchaouen, ou Xexuão (em Português), é uma cidade localizada próximo às montanhas do Rife, na região norte marroquina. Ela é conhecida como a “cidade santa”, pois guarda o túmulo do seu padroeiro, Moulay Abdeslam Alami (1140-1227), o pai e criador do “sufismo” – uma corrente islã filosófica de misticismo e contemplação.

A cidade é alegre, colorida, recheada de mercados e feiras a céu aberto, sua arquitetura é inspiradora e a paisagem em volta magnífica – “Chefchouen” significa “os chifres”, justamente porque está entre dois picos de montanhas que, no inverno, ficam branquinhos de neve.

Quer mais um incentivo? Xexuão entrou para a lista de Patrimônios da Humanidade por causa da sua riquíssima e ancestral dieta mediterrânica. Mais? O turismo ali é super barato!

 

Curtiu? Então compartilhe com aqueles amigos com quem você adoraria dividir uma Kombi hippie para visitar essas cidades maravilhosas ;)



Recomendados para você

Receba promoções em seu e-mail

Junte-se a mais de 20.000 leitores e receba preço de viagens em promoção, artigos e notícias sobre turismo alternativo.

Publicidade